Lu Diwieth

hace 4 años · 4 min. de lectura · visibility ~100 ·

chat Contactar con el autor

thumb_up Relevante message Comentar

Mostre-me como você se comporta e verei quem és.

    Uma vez meu pai me disse que "para conhecermos alguém basta observarmos" e de fato, o ser humano se mostra aos outros, às vezes rapidamente, noutras demora um pouco mais, porém a premissa é verdadeira. Sempre fui observadora, a diferença é que antigamente eu falava muito mais do que observava, mas com o amadurecimento vêm as mudanças e hoje sou totalmente o contrário. Através da observação surge o conhecimento do ser humano, com esta informação pode-se fazer um planejamento mais eficiente na vida pessoal, evitar relações inconvenientes e destrutivas, reagir adequadamente a cada ação que é submetido, além de muitos outros benefícios que vou elucidar a seguir este artigo.

Mostre-me como você se comporta e verei quem és.

A palavra chave é comportamento, vejamos as descobertas que surgem a partir da observação...




                                                  1 - O sujeito que se boicota: 

5ffae9af.jpg

    Um senhor resolveu iniciar um negócio de vendas diretas, com experiência de pizzaiolo, fazia pizzas de aparência impecável, plastificadas dentro da caixa que causava impacto e de fato eram apetitosas. Na empresa de um de seus clientes o vendedor pediu para usar o banheiro, até este ponto tudo corria bem, pois o mesmo já havia vendido mais de uma pizza para esse cliente. Para azar do vendedor e sorte do comprador o banheiro foi utilizado em seguida e para surpresa do observador que adentrou o indivíduo não havia dado a descarga e muito menos lavado as mãos, pois a pia estava seca. Em resumo nesta situação o vendedor não perdeu somente um cliente por falta de higiene, mas várias outras indicações que teria a partir deste, pois nas vendas diretas um cliente pode gerar muitos e assim o negócio vai expandindo, um fala para o outro, "a propaganda é a alma do negócio". 

                                                  2 - O sujeito propagandista:

b8ed83c8.jpg

    No Brasil existe muita oferta de serviços profissionais, dentre elas na área da construção civil que é a mais precária, porque perde no quesito qualidade.  A demanda é grande, tanto quanto as reclamações, onde muitas pessoas deixam a tarefa por fazer ou o fazem elas próprias para não ter incomodação com trabalho mal feito, sem contar com o preço da hora destes prestadores de serviço que é exorbitante. Foi solicitada a troca de uma janela por parte de um cliente para um profissional liberal da área, este falou das suas experiências retratando seu comprometimento e aprimoramento e ambos decidiram um valor pelo trabalho. Durante a atividade, o cliente que observava a colocação constatou que a janela estava ao contrário, isso gerou atraso no período proposto pelo término do serviço e desgosto por parte do mesmo, que teve que explicar ao "profissional" como este deveria posicionar a janela, além de ser cobrado pelas horas extracontratuais.

                                                       3 - O sujeito apreensivo: 

d10c51cc.png

    Hoje com a rede social que passou a ser um refúgio na tentativa aguçada de escapar da solidão, observar o comportamento humano ficou mais fácil. Cada etapa de evolução tecnológica traz consigo a alienação das pessoas que  abstêm-se da oportunidade de dialogar e interagir com a realidade. Dependentes de seus aparelhos desviam-se na busca por suprir necessidade de comunicação através de chats, perdendo a capacidade de fazê-la pessoalmente. Isso fica notório quando ao conversar com alguém este se concentra no celular, inatento ao assunto. Os homens em sua maioria possuem dificuldade em manter amizades sem intenções, seus diálogos transparecem a ideia de que estão contrariando a carência aleatoriamente na esperança de uma retribuição, isso é lamentável. As mulheres são mais perspicazes neste sentido, trazem motivos razoáveis, até porque seus interesses normalmente são da amizade propriamente dita.

                                                      4 - O sujeito civilizado:

70bb8c64.png

    Existem pessoas que deixam um ar agradável por onde passam, são tão empáticas que cativam a partir de um simples cumprimento. Algumas profissões exigem contato direto com o público, como motoristas e cobradores de ônibus, porteiros, ascensoristas  entre muitas outras. É complicado quando você permanece horas trabalhando e é tratado como invisível pelos demais. O fluxo cotidiano é constante e desgastante, nada mais propício do que alguém entrar em um ônibus e saudar os contratados, ou passar pela portaria de um edifício e mensurar o trabalhador local, seja onde for o gentil torna tudo mais simples e muitas vezes "quebra o gelo" em um ambiente antes tenso como um elevador, espaço que todos inevitavelmente têm de compartilhar. Um indivíduo como este sabe se portar, mantêm equilíbrio mental porque não considera como causa dos seus contratempos o meio externo e mostra-se despretensioso e exemplar aos observadores.

                                                    5 - O sujeito benevolente:

ec79fd0e.jpg

    Nada melhor do que se deparar com um ser humano amistoso, sem nenhum interesse além de desejar o bem aos demais. Neste mundo de competições isso é raro e  ao encontrar alguém assim deve-se valorizar e manter bem perto. Em alguns momentos você precisa de um auxílio, às vezes um apoio, não necessariamente algo grandioso, porém é muito difícil achar uma pessoa que disponha de tempo para lhe estender a mão, pode ser que exista um período disponível, mas não havendo algum tipo de benefício está cooperação torna-se inusitada. Preocupar-se com o outro é um gesto de carinho, se observarmos, estranhos demonstram isso quando se oferecem para dar uma informação, fazer alguma gentileza, bem como amigos que se dispõem a um reforço na mudança de residência ou ensinando-lhe algo que gostaria de apreender, são infinitas as possibilidades, mas só conseguimos detectá-los quando necessitamos.

                                                      6 - O sujeito engraçado:

c4da9942.jpg

    Se observarmos quase todo grupo de pessoas seja no âmbito social ou corporativo possui um brincalhão no meio, o piadista que se diverte fazendo os outros rirem. Nem todo mundo tem vocação para contar piadas, para isso é necessário ter algumas características, tais como simpatia, entusiasmo, boa memória, principalmente gostar do público. Por mais que indivíduos com este perfil em alguns casos não possuem limites, a alegria é sempre bem vinda em qualquer ambiente. A sensação de fazer o entorno sorrir é momentânea, mas prazerosa, tanto para quem anima, quanto para quem é animado. Um ser humano que se dedica a cativar sorrisos não consegue viver isolado, a necessidade de manter contato pessoal o mantêm motivado e a falta de atenção dada pelos demais pode provocar sentimentos como frustração e descontentamento, afinal o que seria dos "palhaços" se não fosse a plateia.


2f79e687.jpg


 Chegamos ao fim e para concluir...







    A ideia de abordar diferentes tipos de sujeitos colocando situações e descrevendo comportamentos foi apenas para entendermos a importância de prestar atenção aos detalhes. São infinitas as possibilidades para retratar as atitudes dos seres humanos, claro que neste artigo abordei um entendimento próprio, que pode gerar diversas interpretações, mas no sentido mais amplo da questão trago todo este aporte para que possamos dar preferência para o ato de observar, através deste instrumento saberemos agir de forma adequada, sem julgamentos, levando em consideração as especificidades de cada indivíduo e do contexto em que ele se apresenta.


91533288.pngThomaz, Luana Diwie. Florianópolis, 20 de novembro de 2017. 

Que possamos apreender a cada dia, expressando mais amor por si e ao próximo, completando as falhas e nos tornando seres mais íntegros, dignos de viver em sociedade. 

    

"""""""""
thumb_up Relevante message Comentar
Comentarios

Lu Diwieth

hace 4 años #4

#6
Agradecida Paulo Henrique Gil Marques todos ensinamos e todos apreendemos ; -)

Lu Diwieth

hace 4 años #3

#3
Que bueno Luis Piriz, no demasiado, kkk. Yo soy el número 4, un poquito de 5 también. Buenas noches amigo ; )

Lu Diwieth

hace 4 años #2

#1
Sí, para yo también é español. Gracias Jorge Olivares ; )

Jorge Olivares

hace 4 años #1

Esta bueno me costo un poco por no falo portuges

Más artículos de Lu Diwieth

Ver blog
hace 4 años · 2 min. de lectura

Vai um Chima aí?

Como boa gaúcha que sou não abro mão do meu chimar ...

hace 4 años · 2 min. de lectura

Um saber voluntário.

Temos um importante papel na sociedade, fazer a no ...

hace 4 años · 1 min. de lectura

Ayahuasca, consciência e negligência...

Uma viagem à outra dimensão, um desafio a si mesmo ...